HenryCom uma pequena peça na mão, o inventor e sócio-diretor da Axional, Henry Suzuki, contou a história de como foi sua participação na invenção da tampa de garrafa que funciona semelhante às peças do Lego e que pode ser encaixada em outras tampinhas para formar um brinquedo. Ufa!! Genial, não é? Para chegar na invenção, Henry e os demais inventores tiveram que pesquisar muito e analisar o que já existia de inovador no mercado. “Qual a chance de inovarmos, se não olharmos as dimensões da propriedade intelectual”?, questionou Henry, durante a oficina sobre “Inovações, patentes e informações tecnológicas”, ministrada na nona Micti.

Para Henry, as pessoas precisam estar atentas à evolução da tecnologia, quem são os inventores de cada segmento, como funcionam os produtos, o que, quando e onde foram patenteados. “O país será mais efetivo quando analisarmos o que já existe, antes de sairmos inventando aleatoriamente. Devemos verificar as inovações que já existem no mercado e quem são as principais empresas do segmento. Isso ajudará a sermos mais assertivos no processo de criação”, destacou o inventor.

Durante a oficina, Henry explicou como funciona o processo patentário e também abordou tópicos da Lei de Propriedade Industrial. “Não existe proteção internacional, a patente é realizada por território, isto é, para uma patente ter efeito no Brasil, ela deve ser depositada e concedida no país”, ressaltou Henry.

henry vídeoO inventor e sócio-diretor da Axional também aproveitou para gravar uma entrevista em vídeo sobre a importância de debater a inovação, patentes e informações tecnológicas no Instituto Federal Catarinense. Confira aqui.

Texto: Marília Massochin/ Jornalista

Foto: Raquel Rybandt / Publicitária

Especial para IX Micti e II IFCultura